Métricas Boss

Dicas de Web Analytics por Especialistas 2!

Seja bem vindo a segunda parte da série de Dicas de Web Analytics por especialistas. Convidamos alguns especialistas do mercado de Web Analytics para darem dicas para quem esta no mercado, quer iniciar ou ouvir a opinião de uma outra pessoa.

Nessa segunda parte vamos ter as dicas de Gustavo Esteves, Sara Reinert e Huxley Dias. :)

Dica 1 - Kill the HIPPO!

Dica de Web Analytics por Gustavo Esteves

O que é HIPPO? Highest Paid Person’s Opinion, ou opinião da pessoa mais bem paga! É normal que você trabalhe com pessoas que mesmo com a exemplificação e a demonstração de um dado, peçam para você seguir o pensamento dela, o que ela está mandando! rs

Web Analytics e bons analistas de web analytics são feitos para MATAR a opinião dessas pessoas, se temos os dados que comprovem que a opinião é errada, não tenha medo e informe isso! Seu papel como um representante de Web Analytics é contra argumentar e analisar opiniões e nem sempre elas estarão erradas, mas tem que ser sim baseadas em dados e você mais do que ninguém tem que fazer isso! Se em sua análise a conclusão é diferente da opinião do HIPPO, argumente e não deixe que algo no site ou no modelo de negócios da empresa seja baseado nesse tipo de opinião.

Se você nao argumentar e tiver medo de falar com essas pessoas por que é um CEO, Gerente ou Diretor, você não faz Web Analytics. Não estou falando aqui para você perder a linha, mas sim para debater e mostrar que aquela opinião esta errada. Essa é a sua missão como analista de Web Analytics!

“Sem dados você é apenas uma pessoa com opinião”

Dica 2 - Não se apegue às ferramentas, customizaremos!

Dica de Web Analytics por Sara Reinert

É muito comum nesse mundo (mundinho diga-se de passagem) de Web analytics, os profissionais terem a oportunidade de trabalhar com inúmeras ferramentas. Por mais que cada profissional tenha a sua de preferência, às vezes encaramos novos desafios com novas ferramentas. É comum também nos encontrarmos um tanto quanto resistentes às mudanças em relação a qual interface temos disponível para operar.

Acredito que um dos fatores mais valiosos de se trabalhar com Analytics é o fato de que temos a possibilidade de captar quase todas as informações que o usuário nos deixa com a sua navegação. Dado esse fato, independente da ferramenta que se tem em mãos, é possível criar métricas e dimensões que satisfaçam as necessidades da área de dados, e consequentemente, de negócios.

Baseado nesse cenário e também em experiências próprias de trabalho, minha dica é abraçar novas tecnologias sem vícios e apegos às formas e ferramentas que estão acostumados a trabalhar. O sucesso da nossa área depende da capacidade de raciocínio lógico e entendimento das perguntas que queremos responder com os dados, ou seja, sejamos criativos e assertivos, independente da interface.

mail_outline

Está curtindo o post?

Assine nossa newsletter e fique por dentro das noticias do mercado de Web Analytics.


Dica 3 - Data Driven X Data Informed

Dica de Web Analytics por Huxley Dias

Tenho visto muita gente falando de Data Driven, vejo mais no universo de design pois tenho trabalho muito próximo de times de design nos últimos anos, mas essa reflexão serve para a camada de negócios também.

Quando se fala de ser Data Driven, é assumir que toda e qualquer decisão do negócio será tomada de acordo com o dado que se tem, ignorando todas as outras variáveis que circundam o negócio/produto. Ou seja; ignorar seu parque tecnológico, recursos financeiros e humanos, modelo e estratégia de negócio e também a necessidade do usuário.

Um conceito um pouco mais brando e aceitável no meu ponto de vista é o “Data Informed”, quando você utiliza os dados disponíveis para se informar e junto com as demais variáveis que orbitam o seu negócio/produto chegar a tomadas de decisões mais assertivas. E pode soar um pouco estranho o que vou dizer agora, tendo em vista que somos todos fascinados por dados, mas partindo desse ponto de vista até sua intuição deve ser considerada e confrontada com os dados e demais fatores antes de bater o martelo.

Se for adotar algum posicionamento para guiar seu negócio ou produto, não vá abraçando um posicionamento só porque todo mundo está falando sobre, verifique primeiro se faz sentido para sua realidade.