Os 5 maiores erros ao analisar o Google Analytics

erros ao analisar os dados do google-analytics

Muitas vezes implementamos os códigos do google-analytics para monitoramento do site e achamos que já esta tudo funcionando. É normal que isso aconteça, pois na maioria das vezes quem implementa o código do Google Analytics não é uma pessoa especializada e é comum que aconteçam erros ao analisarmos aqueles dados.

Como podemos confiar nos dados apresentados no Google Analytics?

Listamos 5 erros comuns de acontecerem ao analisar os dados do GA, até mesmo para quem analisa os dados da ferramenta diariamente, pois são erros mais técnicos do google-analytics.

Veja agora os 5 erros mais comuns ao analisar os dados no Google Analytics:

  1. Taxa de rejeição menor que 20%**

Primeiro fator que temos que entender ao analisar esse erro muito comum nos dias de hoje, é saber as médias de taxa de rejeição que o próprio Google considera aceitáveis:

O Google Analytics fornece os seguintes parâmetros analisarmos:

  • 40-60% - Sites de conteúdo;
  • 30-50% - Sites de geração de leads;
  • 70-98% - Blogs;
  • 20-40% - Sites de varejo;
  • 10-30% - Sites de Serviços;
  • 70-90% - Landing Pages Institucionais;

Agora que você já sabe a média de acordo com seu segmento, concorda que se sua taxa de rejeição for menor que 20% e seu segmento não for um site de serviços, tem algo errado né?

Desde que surgiu o tag manager, os profissionais de marketing idolatram a ferramenta, pois ela consegue otimizar a inserção de scripts no site, sejam eles de adwords, parceiros e também do google-analytics, mas um erro muito comum que acontece é  inserção da tag do GA via tag manager mas a tag antiga não é excluída. :O

Quais são as soluções para avaliar a taxa de rejeição nesse caso?

A - Verifique se a tag do Google Analytics das mesmas propriedades estão instaladas via tag manager e também de maneira manual. Essa duplicidade na informação vai gerar além de uma diminuição na rejeição, a duplicidade de outras informações, por isso mantenha apenas um script instalado, recomendamos que mantenha via tag manager;

B - Seu site possui plugin do Google Analytics e a tag inserida manualmente. Esse problema pode ocorrer com algumas plataformas de ecommerce e é muito comum ocorrer com que usa wordpress. Normalmente esses sites possuem plugin onde é necessário apenas informar a UA (ID DA CONTA DO GA) e o script é inserido, mas mesmo assim ele acabou sendo inserido de maneira manual;

C - Outro erro bem comum para este problema da rejeição são os tagueamentos de eventos. Muitos sites no brasil possuem um pop up para cadastro de emails (se você faz isso, repense uma maneira menos intrusiva), é bem comum encontrarmos isso. Mas ao incluirmos esse pop up, tagueamos o evento para saber se as pessoas estão clicando ou não nele e com o evento criado de uma maneira errada, o Google Analytics interpreta como rejeição. :(

  1. Os cliques do adwords não batem com o número de sessão do Google Analytics

Nesse caso o maior problema é o usuário, sim você mesmo que esta lendo esse post! Esses dados nem sempre vão bater e isso é normal. Mas como assim????

Normalmente quando integramos o google-analytics e o Adwords (se você não sabe clique aqui) começamos a comparar as sessões do GA com os cliques do Adwords e essa comparação esta errada e a explicação é:

O clique que um usuário da em seu anúncio do adwords é uma métrica muito simples, muito básica e basta que o usuário clique no anúncio que a métrica será gravada, já as sessões elas necessitam de outros parâmetros, segue um exemplo:

Clique no anúncio de adwords > Clique > Métrica Gravada

Sessão do google-analytics > Page Views, eventos, parâmetros de utm, trigger social > Métrica Gravada

Diante do exemplo acima, é possível entender a diferença para o Google em captar os dados de cliques e os dados de sessões.

Qual a solução para analisar os cliques do Adwords x Sessões do Analytics?

A - A solução é entender a diferença entre os cliques do adwords e as sessões do Analytics, conforme mencionado no exemplo acima. Pode acontecer do Adwords mostrar mais cliques do que as sessões do GA, isso pode ocorrer pois as sessões do Analytics podem não ser gravadas devido a latência do servidor, ao usuário ter apagado o cache e se sua página for lenta e o usuário não esperar para carregar, com isso os scripts do GA podem não ter sido carregados.

  1. Campanhas não monitoradas**

O google-analytics consegue monitorar as campanhas do site e qual foi sua origem, mas ele não informa qual o nome da campanha e nem a mídia, como por exemplo Facebook / Post, o GA informará apenas como Facebook.

Este é um erro muito comum no meio digital, apesar de estarmos em um ambiente que conseguimos MENSURAR TUDO, existem alguns sites que ainda sim não mensuram TODAS as campanhas que fazem, sendo assim quando querem analisar por exemplo quanto uma campanha de email trouxe de tráfego para o site, ficam ás escuras!

Ok, então como eu mensuro minhas campanhas no Google Analytics?

A maneira ideal de mensurar suas campanhas é através do construtor de URL do Google o famoso (ou nesse caso nem tanto) URL Builder.

O URL Builder é o construtor de URLS do Google, com ele conseguimos mensurar TODAS as campanhas que fazemos, basta seguir o passo a passo abaixo:

URL Builder

Após clicar em enviar, a sua URL já estará tagueada e é ela que deverá ser publicada no seu email, no seu facebook para que você possa mensurar cada ação que faz!

Caso ainda esteja com dúvidas do que significa cada espaço acima, segue abaixo uma explicação do próprio Google Analytics:

URL Builder o que significa

  1. Origem de tráfego mostrando banners do site**

Se você esta pensando que essa é uma excelente solução, PARE, apenas PARE!! É comum vermos muitos sites taguearem os banners internos, como banners na home, em categorias entre outras áreas. Mensurar os banners de seu site é uma ideia excelente e se você não faz isso, comece a mensurar, mas não com URL Builder, UTM_SOURCE.

O Tagueamento de URLS, mais conhecido como URL Builder do Google serve para medirmos tráfegos externos do site, como na figura abaixo:

origens de trafego google-analytics como usar

Entenda que tirando cpc, direct e organic, nenhuma das origens abaixo apareceriam dessa maneira se não estivessem configuradas via URL Builder para isso, porém serve apenas para mensurar **tráfego externo!

Você não deve usar NUNCA o tagueamento de URLS para analisar os banners do seu site, os malefícios desse tipo de mensuração são:

A - Aumento de Page Views. Page View não é uma métrica muito analisada nos dias de hoje, mas mesmo assim quando você mensura banners da maneira errada, via URL Builder, os page views do site aumentam o que pode acarretar na interpretação errada dos dados;

B - Relatório de origens de tráfego com diversas fontes erradas. Caso você mensure os banners do site dessa maneira errada, no seu relatório de origem de tráfego, vão conter diversos banners, dessa maneira não será fácil nem rápido analisar as campanhas que geram tráfego;

C - As receitas do site serão perdidas! Sim, você vai mensurar dados errados de receita! Quando uma URL é criada via URL Builder, ao clicar em um link o Google automaticamente substitui as informações. Um exemplo:

Clique no seu site via email > Acesso ao site > Clique no seu banner tagueado > Usuário efetuou uma compra

Para qual origem de tráfego o Google Analytics vai atribuir a venda? Sim, ele atribuirá a venda para seu Banner, e quando você for analisar os custos e receita de mídia, aparecerão os banners como venda e as receitas que seriam originadas ao email não serão mais! :(

Qual a solução para mensurar a importância dos banners do site?

A - Tagueamento de eventos via Google Analytics - A melhor maneira de mensurar a importância dos banner é através do tagueamento de eventos.

Os eventos são informações inseridas no site via código ou tag manager e com eles é possível mensurar por exemplo os cliques nos banners do site e você consegue analisar até mesmo o nome de cada banner. :)

  1. Busca interna do site não é contabilizada no Google Analytics

É muito comum na hora da criação do Google Analytics, não configurarmos o acompanhamento da busca interna do site, com isso ao analisar os dados da busca pelo GA, as informações ficam vazias ou contém resultados aleatórios.

Esta é uma métrica muito importante, são as buscas que seus usuários ao acessarem o seu site realizaram, ou seja, são eles dizendo o que querem. Pense em um cenário, onde você tem um e-commerce de brinquedos, mas não vende skate, seus usuários estão procurando ativamente por skates, você vai passar a vender skates ou vai deixar essa oportunidade passar?

E como posso configurar o acompanhamento da busca interna?

Esta é uma informação que não vem selecionada quando criamos nossa conta no GA, com isso precisamos realizar o procedimento abaixo:

  1. Acesse a área de administrador do seu GA e acesse a sua Vista de Propriedade:

passo a passo da configuracao de busca interna no google-analytics 1

  1. Dentro da vista de propriedade, selecione a opção “acompanhamento da pesquisa no site” e informe o parâmetro de busca do seu site. Para saber qual é o parâmetro de busca, basta você efetuar uma busca no seu site e analisar qual o parâmetro que esta na URL antes do termo que você digitou, no caso do nosso site é o parâmetro “s=”, conforme a imagem abaixo:

passo a passo da configuracao de busca interna no google-analytics 2

passo a passo da configuracao de busca interna no google-analytics 3

Pronto, com essa configuração realizada o Google Analytics passará a computar as pesquisas internas do seu site. :)

Conclusão

Levantamos alguns dos erros mais comuns ao interpretar os dados do Google Analytics, muito são erros de configuração e outros de cultura da análise de dados mesmo, leia com atenção o post, repare os problemas que pode estar acontecendo no seu GA e comece a mensurar os dados de maneira mais precisa. Caso algum desses problemas nunca tenha acontecido no seu site, Parabéns, mas guarde com carinho e quando ocorrer você já saberá a solução. ;)